Embrapa Agroenergia participa do lançamento da Coleção Mulheres Rurais do Brasil

A Embrapa e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) promoveram, nesta segunda-feira (27/11), um seminário de contribuições para uma agenda de pesquisa, desenvolvimento e inovação social para as mulheres rurais, com o objetivo de promover o diálogo e o intercâmbio de experiências sobre inclusão socioprodutiva e equidade de gênero desse segmento da agricultura, em alinhamento aos compromissos da Agenda 2030, especialmente às metas do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável – ODS 5, que diz respeito à igualdade de gênero.

O encontro contou com a presença de organizações da sociedade civil ligadas ao movimento social de mulheres do campo, das florestas e das águas, instituições nacionais e internacionais, além de pesquisadoras, analistas, gestoras e técnicas da Embrapa e demais convidados.

Durante o evento, houve o lançamento de publicações da Coleção Mulheres Rurais do Brasil, pela autora e diretora-executiva de Negócios da Embrapa, Ana Euler, que representou todos os autores da série, entre eles duas autoras da Embrapa Agroenergia: Simone Favaro e Rosana Guiducci.

A Coleção Mulheres Rurais do Brasil representa uma etapa inovadora por trazer uma abordagem que destaca as diferentes experiências e necessidades desse segmento em suas diversas realidades. Trata-se, também, de uma importante contribuição da Embrapa e do Brasil para o alcance das metas propostas pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, bem como para o cumprimento das metas estabelecidas para a década da agricultura familiar.

“Da produção à comercialização, as mulheres sempre ajudaram a pavimentar o caminho da agricultura no País, tanto para um extrativismo sustentável, como para uma agricultura produtiva. No entanto, apesar da multiplicidade de papéis que desempenham e das responsabilidades que assumem, sua participação sempre foi marcada pela invisibilidade. Esta Coleção Mulheres Rurais no Brasil, escrita por muitas mãos, traz luz a esta questão, contextualizando a participação das mulheres na agricultura, como extrativistas, trabalhadoras e dirigentes de estabelecimentos rurais nas diferentes regiões do País, e mostrando seu envolvimento nas diferentes etapas do processo de produção, desde a primária até a de agregação de valor, assim como na representação e liderança de organizações do setor”, disse a presidente da Embrapa Silvia Massruhá, na apresentação dos trabalhos.

A coleção é composta por cinco publicações e, no seminário, foram apresentadas três delas. A primeira apresentação foi de “Mulheres na Extração de Óleo de Pracaxi”, de autoria de Ana Euler e Ana Cláudia Guedes. A obra destaca que as mulheres rurais são as guardiãs dos sistemas agroalimentares e do desenvolvimento sustentável do campo, das águas e das florestas. Desempenham papel fundamental no sistema agroalimentar, uma vez que contribuem diretamente para a erradicação da fome, a luta pela redução da pobreza e a adaptação às mudanças climáticas. Elas exercem também importante papel na preservação da biodiversidade e garantem a soberania e a segurança alimentar e nutricional.O trabalho aborda as mulheres extratoras do óleo de pracaxi, o pracaxizeiro, a prática de extração do óleo de pracaxi e as demandas das mulheres de Limão do Curuá, no Amapá.

Na sequência, foi lançado o título “Mulheres na Pecuária”, de autoria de Cláudia De Mori; Danielle Azevêdo; Jorge Luiz dos Santos; Juliana Dias; Manuela Lana: Mariana de Aragão; Patrícia Bustamante; Thais Basso; Helenira Vasconcelos e Aline Costa. O trabalho mostra que, embora as mulheres sempre tenham ocupado um papel importante na criação de animais, a atividade pecuária é compreendida, no senso comum, como uma atividade masculina. O texto apresenta alguns dados sobre a participação das mulheres na atividade pecuária, discute seu envolvimento no processo de agregação de valor, participação em organizações e na geração, difusão e adoção de tecnologias, bem como na sucessão das propriedades e no pioneirismo na atividade pecuária.

Por fim, houve o lançamento da obra “Mulheres na Cadeia Produtiva da Macaúba”, de autoria das pesquisadoras Simone Favaro e Rosana Guiducci, da Embrapa Agroenergia. A publicação destaca o protagonismo feminino associado à permanência dessa cultura como fonte geradora de renda em áreas extrativistas e no cultivo organizado, podendo ser decisivo na expansão da cadeia produtiva em comunidades tradicionais.

“Isso ocorre porque a participação feminina fortalece a diversificação e o aproveitamento dos subprodutos da macaúba na lógica da economia circular”, disse Simone Favaro, que é filha de uma produtora de café.

O trabalho faz, também, uma reflexão sobre o fato de que a mulher ocupa um importante espaço na cadeia da macaúba, mas ainda é possível avançar para que haja maior equidade de condições de trabalho, renda e acesso à informação e aos benefícios de políticas públicas que podem melhorar sua qualidade de vida.

Os títulos encontram-se disponíveis na página do Observatório das Mulheres Rurais do Brasil, no site da Embrapa.

Márcia Cristina de Faria (MTb 24.056/SP)
Embrapa Agroenergia

Fonte: EMBRAPA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *